Seja bem-vindo ao Florence Pugh Brasil, sua primeira e mais completa fonte de notícias sobre a atriz Florence Pugh no Brasil e no mundo. Aqui você encontrará informações sempre atualizadas sobre sua carreira, projetos e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu acima e divirta-se com todo o nosso conteúdo. O Florence Pugh Brasil é um site feito por fãs que não é afiliado e/ou mantém qualquer espécie de vínculo com a Florence, sua família, seus amigos, agentes ou alguém relacionado a seus projetos. Esse site foi criado com o intuito de informar e entreter pessoas que, como nós, admiram o seu trabalho e suas atitudes. O FPBR não tem nenhuma intenção de lucro. Caso pegue alguma tradução ou notícia exclusiva e reproduza em seu site, nos dê os devidos créditos. Esperamos que goste do contéudo e volte sempre!

Em nova entrevista ao Den of Geek, a atriz britânica Florence Pugh refletiu sobre todo o ódio que sua personagem em “Adoráveis Mulheres” vem recebendo ao longo da história e saiu em sua defesa, além de abordar a dinâmica de Amy com sua irmã mais velha, Jo, e Laurie. Confira abaixo a entrevista traduzida:

“Adoráveis Mulheres”: Florence Pugh Sai Em Defesa De Amy March
Florence Pugh pondera o porquê de algumas pessoas odiarem injustamente Amy March… e entrar em um triângulo com Timothée Chalamet e Saoirse Ronan.

Florence Pugh tem uma tarefa pouco invejável à medida que “Adoráveis Mulheres” se aproxima. Ainda que o filme dirigido por Greta Gerwig marque uma oportunidade incrível para a jovem atriz, que já está tendo um ano excepcional com filmes como “Midsommar” e “Lutando Pela Família“, remanesce o fato de que ela está interpretando Amy March. Além de ser a caçula de quatro irmãs, começar a história como uma criança e terminá-la como uma jovem mulher, ela também é uma personagem que é bastante contrária à sua irmã mais velha, Jo (Saoirse Ronan). Ela também disputa os afetos do melhor amigo de Jo, Theodore Laurence (Timothée Chalamet), o Laurie.

Florence Pugh está ciente do desafio.

Sim, eu tive que interpretar uma personagem que todo mundo odeia, essencialmente, essa é a verdade,” Florence ri quando a encontramos no início desse mês para o lançamento do Blu-ray de “Midsommar“. “Acho que Amy teve uma infância difícil, e eu acho que a coisa certa que sempre amei nas crianças é que elas não sabem como se expressar. Acho que algo que é tão fascinante sobre assistir uma criança, seja em um churrasco ou quando você está colocando um bebê na cama, é que elas não sabem como conversar e não sabem como expressar essa grande raiva ou essa grande chateação.

Na opinião de Florence, essa inabilidade de expressar suas decepções ou até mesmo queixas justificadas é o motivo de Amy ter uma má reputação entre muitos leitores de “Mulherzinhas“.

Amy está naquela doce fase de ser quase uma adulta, mas também ainda ser uma criança, e ela não sabe como lidar com isso. E ela também é muito sincera e bastante direta. Eu acho que essa é a coisa mais legal e fofa das crianças; elas podem te dizer o quão feio você está, ou até mesmo o quanto você engordou no natal, e elas simplesmente dizem essas coisas como se fossem fatos, e você sabe que são… Ela não está errada, ela apenas não sabe como dizer essas coisas ainda.

Porém, na nova visão de “Mulherzinhas” de Greta, Amy está tendo sua perspectiva exibida. O amado romance de Louisa May Alcott, que teve sua primeira edição publicada em 1868, contou a história das quatro irmãs March crescendo durante a Guerra Civil e, mais à frente, quando elas entram na vida adulta. A maioria dos filmes — incluindo a popular adaptação de 1994, onde Amy foi interpretada por Kirsten Dunst aos 12 anos e por Samantha Mathis aos 16 — geralmente se concentra nos primeiros anos, em que o público adota o viés de Jo.

No entanto, o novo filme deve se concentrar da mesma forma, se não mais, na segunda metade da história, com uma forte ênfase em Amy saindo pelo mundo como companheira da tia-avó March (Meryl Streep). Também terá que convencer os fãs de Saoirse Ronan e Timothée Chalamet de que não há problema em querer que Laurie termine como uma irmã March diferente.

Florence diz, “Eu acho que há algo que Saoirse e Timmy fazem tão bem, até mesmo nessa… grande discussão em que Laurie e Jo finalmente colocam tudo para fora, e ele diz que a ama e ela diz a ele que não sente o mesmo. Na minha opinião, o melhor é que Saoirse e Timmy têm essa química única de irmãos de qualquer forma, e ela está presente aos montes.” Para Florence, seus colegas de elenco deixam bastante óbvio que Jo e Laurie não foram feitos para ficarem juntos e que Jo não pode amá-lo dessa forma.

… Florence então acrescenta, “E é claro que Amy sempre levará a culpa, porque ‘ela tomou ele dela,’ mas eu espero que as pessoas vejam o amor que Laurie e Amy têm um pelo outro também.

Para uma certa variedade de leitores de “Mulherzinhas“, esse é um pedido complicado, mas, considerando o quão positivas têm sido as primeiras reações à peça de época dirigida por Greta, parece que Amy talvez não precise ser defendida tão eloquentemente por muito mais tempo.

Fonte: Den of Geek.
Tradução e adaptação: Florence Pugh Brasil.



Em uma entrevista exclusiva ao site Den of Geeks, Florence Pugh discutiu seu ingresso no Universo Marvel, os treinamentos necessários para trazer Yelena Belova à vida, acrobacias, coreografias de luta e muito mais sobre o próximo e aguardado lançamento da Marvel Studios: “Viúva Negra“. Confira abaixo a entrevista traduzida:

“Viúva Negra”: como Florence Pugh se juntou ao Universo Cinematográfico da Marvel
Florence Pugh nos fala sobre interpretar a “irmã” de Scarlett Johansson em “Viúva Negra” e o treinamento necessário para ingressar no Universo Marvel.

Florence Pugh descobriu que adorava o trabalho acrobático e as coreografias de luta enquanto interpretava a lutadora da vida real, Paige, em “Lutando Pela Família“, que estreou este ano. Mas é seguro dizer que aparecer como Yelena Belova, a “irmã mais nova” da super-heroína de Scarlett Johansson em “Viúva Negra“, levou as coisas a outro nível.

Essa foi a parte mais legal de fazer esse filme,” Florence diz. “A parte acrobática contava com essas duas assassinas que precisavam se mover incrivelmente e precisavam lutar uma contra a outra.

Quando nos sentamos para conversar com Florence, ela está no meio de um grande ano. Estamos falando com ela após um marco estelar no ensolarado filme de terror de Ari Aster e da A24, “Midsommar“, mas só em 2019 ela também apareceu naquele filme de luta-livre mencionado anteriormente e ainda tem “Adoráveis Mulheres“, de Greta Gerwig, chegando em dezembro. Ela considera cada experiência uma oportunidade única de interpretar uma persona diferente e ímpar. Mas ingressar na Marvel Studios realmente é como entrar em um novo universo, dada o quão sofisticada e consagrada essa franquia hidra de múltiplas camadas se tornou.

‘Viúva Negra’ é outra grande coisa incrível na qual eu consegui colocar as minhas mãos, o que é completamente louco,” diz Florence. “Eu tive um verão tão maravilhoso com a Scarlett abrindo os meus olhos para todo esse universo… nós nos divertimos tanto filmando esse projeto e me pareceu muito natural estar abusando [da boa vontade] dela e a amando, tudo na mesma frase.

Ela continua, sugerindo que Yelena e a Natasha Romanoff de Scarlett têm um laço tão forte quanto o de sangue, após ambas crescerem na Academia Sala Vermelha, na Mãe Rússia. No entanto, isso não significa que elas não terão problemas.

Florence diz, “Elas certamente têm um relacionamento fraterno. Elas compartilham da mesma dor, compartilham os mesmos conflitos; irritam uma a outra, se amam; se portam do mesmo jeito; elas certamente se completam muito bem.

Quanto a gravar um filme da Marvel em si, Florence considera isso um daqueles “momentos me belisque” na vida em que ela pode ser grata por passar um verão inteiro mergulhando na fisicalidade de como os super-heróis são feitos. Isso inclui algumas acrobacias rigorosas e preparação para combate, como vimos nas cenas chocantes exibidas na San Diego Comic-Con, no início desse ano, que mostravam Natasha e Yelena apontando armas uma para a outra e então regredindo para socos em uma cena de luta que não pareceria deslocada em um filme do Jason Bourne.

O mais legal para mim foi que eles estavam super de acordo com você fazer o quanto do trabalho acrobático que quisesse, Florence explica. “Eu sabia que adorava tudo isso desde ‘Lutando Pela Família’, então assim que cheguei ao set [na época dos ensaios], fui imediatamente aprender com todos aqueles dublês incríveis. Basicamente, é o trabalho deles te ensinar a ser o melhor… todas essas pessoas únicas que vieram de todo o mundo, que sabem lutar kickboxing, ou que tem como habilidade luta com facas, e isso é bizarro e único.

Ela continua, “Então fiquei no galpão [de treinamento] por cerca de um mês, absorvendo tudo o que eu precisava, e, aí, fui levando. É um trabalho bastante árduo, mas, no fim das contas, eles permitem que você faça o quanto você quiser… e eles ficam extremamente felizes mesmo se você só quiser dar um salto estrela, mais ainda se você quiser se envolver com a [parte física da] luta.

Imaginamos que Yelena causará uma grande impressão quando ela mais do que se defender contra sua irmã em “Viúva Negra“, em maio.

Fonte: Den of Geek.
Tradução e adaptação: Florence Pugh Brasil.



disclaimer