Seja bem-vindo ao Florence Pugh Brasil, sua primeira e mais completa fonte de notícias sobre a atriz Florence Pugh no Brasil e no mundo. Aqui você encontrará informações sempre atualizadas sobre sua carreira, projetos e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu acima e divirta-se com todo o nosso conteúdo. O Florence Pugh Brasil é um site feito por fãs que não é afiliado e/ou mantém qualquer espécie de vínculo com a Florence, sua família, seus amigos, agentes ou alguém relacionado a seus projetos. Esse site foi criado com o intuito de informar e entreter pessoas que, como nós, admiram o seu trabalho e suas atitudes. O FPBR não tem nenhuma intenção de lucro. Caso pegue alguma tradução ou notícia exclusiva e reproduza em seu site, nos dê os devidos créditos. Esperamos que goste do contéudo e volte sempre!

Florence Pugh concedeu uma entrevista exclusiva para a série de edições digitais da Deadline dedicadas à temporada de premiações, que serão lançadas online à partir desse mês. Durante o bate-papo com Anthony D’Alessandro para a publicação voltada para a indústria do entretenimento, Florence discutiu seus mais recentes trabalhos no ano que a consagrou de vez e consolidou ainda mais sua carreira. Confira abaixo a entrevista traduzida e os scans da revista:

Florence Pugh
Como ela aprendeu a lutar fisicamente, a incorporar a insanidade atormentada pelo luto e a trazer nova profundidade a uma querida personagem literária

2019 será lembrado como o ano de Florence Pugh. Primeiro, ela mostrou sua destreza de combate em “Lutando Pela Família”, como a lutadora britânica da vida real Saraya “Paige” Knight. Em seguida, veio a angustiada e atormentada adolescente Dani no bizarro terror sueco de estilo folk de Ari Aster, “Midsommar”. E então, há o remake revisionista de Greta Gerwig de “Mulherzinhas”. Florence interpreta Amy March, a irmã privilegiada de Jo, interpretada por Saoirse Ronan. E isso não é tudo. Ela também é a assassina Yelena Belova, amiga e também rival da personagem de Scarlett Johansson, Natasha Romanoff, em “Viúva Negra” da Marvel, que estreia em maio.

Como começou essa reação em cadeia de papéis? Depois de “Lutando Pela Família”, seu colega de elenco Dwayne Johnson deu uma tonelada de telefonemas te recomendando?
Na verdade, eu fiz “Lutando Pela Família” anos atrás, quando “Lady Macbeth” estava estreando. Então, é engraçado que ele só tenha sido lançado este ano. É interessante como os filmes funcionam assim, mas esse eu fiz há cerca de dois ou três anos. As pessoas sempre ficam fascinadas em saber o motivo do sucesso repentino, mas, na verdade, eu tenho estado ocupada pelos últimos quatro anos, e todos os projetos só foram lançados agora. Dessa forma, não é necessariamente algo que aconteceu do dia para a noite para mim. Desde “Lady Macbeth” e “Lutando Pela Família”, eu venho trabalhando consecutivamente por quatro anos agora.

Qual significado o papel de Dani em “Midsommar” teve para você?
Ler um roteiro como esse e ter um diretor que quer que você seja essa personagem, é uma das melhores sensações que existem. É também uma das sensações mais apavorantes, porque eu tenho uma grande ligação com todas essas personagens que interpreto, e eu realmente sinto que, como uma atriz, é seu direito saber se esse é o seu papel ou o de outra pessoa. Eu acredito firmemente nisso. Por mais empolgante que seja ter alguém te oferecendo um papel, você tem que se certificar de que a personagem terá justiça com você a interpretando, e, caso não tenha, você precisa ser corajoso o suficiente para deixar que outra pessoa faça isso.

Quais eram as suas preocupações?
Com “Midsommar”, é o sonho de todo ator ter tanta jornada e tanto arco assim. Mas, prioritariamente, eu estava muito apreensiva, porque não suporto assistir filmes em que você pode ver que alguém não sabe como sentir algo. A coisa mais difícil de se fazer quando li a história de Dani foi que, eu estava tão consciente de que ela precisava de cada uma das emoções que estavam sendo escritas, elas não poderiam simplesmente ser fingidas, não poderiam ser imaginadas, não poderiam ser algo que você imaginava; é assim que elas me pareciam. Com toda a honestidade, eu estava com medo, porque eu nunca havia chegado perto de qualquer espécie de sofrimento como aquele em toda a minha vida. Eu não sabia como isso parecia, como isso soava, e em um filme que é fortemente baseado em torno da ansiedade e do luto, seria quase rude fazê-lo sem qualquer preparo, apenas improvisar.

Como você superou essas preocupações?
Eu tinha consciência que não sabia se tinha [a capacidade de interpretar] ela em mim, e aceitei o papel porque pensei que talvez eu tivesse, e eu fiz uma fita para o Ari, que foi uma das primeiras cenas com Christian e Dani, quando ele a manipula psicologicamente e a faz duvidar de si. Então, sim, foi complicado, e eu imaginei cada membro da minha família em um caixão, o que arrancou todos aqueles sons que vocês veem no filme de mim. Tenho certeza de que muitos atores diriam que isso é totalmente ridículo, mas, infelizmente, não consigo chorar na hora, do nada. Então, eu tive que me destruir realmente por três meses inteiros, mas fiquei feliz com o resultado. Tudo o que o público vê, é exaustivo de se assistir. Quero dizer, eu assisti o filme duas vezes e todas as vezes, no final eu me sentia como se estivesse completamente de ressaca, e meio morta. Saindo de “Midsommar”, Amy March em “Adoráveis Mulheres” foi a melhor terapia para mim. Ela foi incrível. Eu pude andar por aí em anáguas e, essencialmente, flertar com Timothée Chalamet todos os dias, e também dar pancadas e lutar com todas as irmãs. Foi ótimo.

Amy foi rejeitada pelos leitores, mas talvez tenha mais nuances no filme de Greta Gerwig.
Acho que estamos tão prontos, como pessoas modernas e mulheres modernas, que estamos tão empolgados em defender e torcer por uma mulher que diz que quer ganhar seu próprio dinheiro e não se casar. Mas, na verdade, naquela época, essa era provavelmente uma das coisas mais imprudentes e tolas que você pudesse querer e fazer. Tia March treinou Amy para planejar; se você conseguir um bom casamento, estará segura, terá filhos e seus filhos também estarão seguros. Se através do casamento você entrar para uma família rica, que tenha muito dinheiro, você está basicamente sobrevivendo; e eu acho que isso é algo do qual nos esquecemos como pessoas modernas. Durante aquele período, as mulheres não tinham nenhuma escolha. Elas não possuíam nada, não possuíam seus filhos e nem dinheiro algum. Então, na verdade, essa garota que todos nós temos detestado por tantos anos nesse livro, foi provavelmente uma das mais inteligentes também.

Greta também entregou seu discurso sobre ‘mulheres e casamento’ para que Timothée decorasse no último minuto. Houveram muitas mudanças de última hora?
O roteiro é como se fosse uma espécie de bíblia, e então se Greta tivesse algo que quisesse acrescentar, ela lhe diria de manhã. Naquele dia, obviamente, ela me entregou esse discurso enorme, e a cada cinco minutos de pausa nas gravações, eu ia para um canto, agia como se estivesse brava e o ensaiava várias vezes. Ela é muito específica e precisa com seu roteiro. Falas estarão escritas umas em cima das outras, e é esperado que você entre na exata palavra em que sua fala começa, é para ser caótico mesmo. Você não deve ouvir nenhuma espécie de anúncio de que é a sua vez de falar, e isso é obviamente a coisa mais estressante de todos os tempos, mas também é muito estimulante. Todos tinham que estar atentos às suas deixas, e prontos. Tipo, prontos de verdade.

Fonte: Deadline.
Tradução e adaptação: Florence Pugh Brasil.



disclaimer