Seja bem-vindo ao Florence Pugh Brasil, sua primeira e mais completa fonte de notícias sobre a atriz Florence Pugh no Brasil e no mundo. Aqui você encontrará informações sempre atualizadas sobre sua carreira, projetos e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu acima e divirta-se com todo o nosso conteúdo. O Florence Pugh Brasil é um site feito por fãs que não é afiliado e/ou mantém qualquer espécie de vínculo com a Florence, sua família, seus amigos, agentes ou alguém relacionado a seus projetos. Esse site foi criado com o intuito de informar e entreter pessoas que, como nós, admiram o seu trabalho e suas atitudes. O FPBR não tem nenhuma intenção de lucro. Caso pegue alguma tradução ou notícia exclusiva e reproduza em seu site, nos dê os devidos créditos. Esperamos que goste do contéudo e volte sempre!

A Deadline noticiou com exclusividade nesta sexta-feira, 11, em seu site, a mais nova adição do elenco de “Don’t Worry Darling”: o cantor, compositor e ator inglês, Harry Styles. Harry — que se junta a Florence Pugh, Dakota Johnson e Chris Pine no elenco estelar — substitui o ator americano Shia LaBeouf, inicialmente escalado para o papel que agora pertence ao britânico. O motivo que ocasionou a saída de Shia do projeto, e a consequente entrada de Harry, foram conflitos de agenda, conforme anunciado pelo New Line, o estúdio responsável.

Também nesta sexta-feira, o Collider publicou um artigo revelando novos detalhes sobre o enredo e o processo de produção do novo thriller psicológico de Olivia Wilde. Confira abaixo a tradução:

Ambientado na década de 1950, o filme da New Line irá estrelar Florence Pugh como uma dona de casa infeliz que aos poucos passa a questionar sua própria sanidade quando começa a perceber incidentes estranhos em sua pequena comunidade utópica no deserto da Califórnia. Harry Styles irá interpretar o marido de Florence, um homem que é o verdadeiro retrato da perfeição e a ama profundamente, mas que está escondendo um segredo sombrio dela.

Chris Pine está escalado para co-estrelar como o líder de um estaleiro misterioso. Todos os homens estão empregados um pouco além dos limites da cidade e o personagem de Chris é reverenciado por todos os seus colaboradores e suas esposas, quase como um culto. Enquanto isso, Dakota Johnson irá interpretar a vizinha de Florence, que começa a exibir um comportamento estranho e paranoico e tenta alertá-la de que as coisas em sua comunidade não são o que parecem ser. Olivia Wilde também irá desempenhar um papel coadjuvante crucial.

Após fazer sua estreia como diretora com a aclamada comédia adolescente “Fora de Série”, Olivia irá dirigir à partir de um roteiro desenvolvido por Katie Silberman, a escrivã de “Fora de Série” que reescreveu o roteiro original de Carey e Shane Van Dyke. Olivia e Katie também irão produzir “Don’t Worry Darling” ao lado de Roy Lee e Miri Yoon, da Vertigo, enquanto Carey e Shane serão os produtores executivos juntamente com Catherine Hardwicke. Os executivos da New Line, Daria Cercek e Celia Khong, irão supervisionar o projeto para o estúdio.

O projeto é uma prioridade para a New Line, de propriedade da WarnerMedia. (…) Olivia tem vários projetos de direção em andamento, mas é esperado que “Don’t Worry Darling” seja seu próximo longa-metragem, visto que já está com seu elenco definido.

Após os anúncios, Olivia utilizou sua plataforma no Twitter para revelar os nomes dos personagens de Florence Pugh e Harry Styles: Alice e Jack, respectivamente.

Fontes: Deadline, Collider & Twitter.
Texto, tradução e adaptação: Florence Pugh Brasil.



Florence Pugh e Scarlett Johansson concederam uma entrevista conjunta para a edição britânica de outubro da revista Empire, realizada por Chris Hewitt, acompanhada de um ensaio fotográfico promocional distribuído pela Marvel Studios e de autoria do fotógrafo Ricky Middlesworth. No bate-papo, as atrizes discutiram o aguardado filme “Viúva Negra”, sua importância para a Marvel e para a indústria dentro de um ponto de vista feminista e inovador e muito mais. Confira abaixo a entrevista traduzida, as fotos da sessão fotográfica, os novos stills de produção divulgados com exclusividade pela publicação e os scans da revista:

Passando a Tocha
O tão esperado ‘Viúva Negra’ vê Scarlett Johansson dando adeus ao UCM e Florence Pugh chegando com alvoroço. Nós as reunimos para falar sobre mentoria, testar limites, explorar coisas novas e poder feminino

Há uma chance muito real de que “Viúva Negra”, de Cate Shortland, seja a última excursão de Scarlett Johansson no Universo Cinematográfico da Marvel como sua personagem-título, a astuta super-espiã/soldado solitária Natasha Romanoff. O que seria uma tremenda pena. Porque, embora essa seja a oitava viagem de Scarlett no carrossel UCM desde que ela apareceu pela primeira vez em “Homem de Ferro 2”, em 2010, é a primeira de Florence Pugh como a ex-espiã soviética, antagonista e meio-que-irmã de Natasha, Yelena Belova, em uma prequela aparentemente projetada para outorgar o manto de Viúva Negra a ela — agora que a própria Natasha está morta, ao que tudo indica irrevogavelmente, em um planeta estranho. E se a química fácil, engraçada e estimulante que as atrizes americana e britânica demonstraram em uma ligação com a Empire no começo deste verão se transferir para a telona, a Marvel deve tentar reuni-las em todas as oportunidades. Prequelas, spin-offs, sitcoms, o que funcionar. Ainda assim, como alguém disse uma vez, o futuro não está definido, e durante a entrevista conjunta da Empire, Scarlett e Florence falaram sobre o presente, o passado, e o caminho que levou a Marvel a fazer um filme protagonizado/dirigido por mulheres, que tem como finalidade a inovação…

Quando foi a última vez que vocês se viram pessoalmente?
Scarlett Johansson:
Eu vi você na época do Oscar…
Florence Pugh: Mas nós fizemos refilmagens uns dois ou três dias depois disso, lembra, querida?
Scarlett: Ah, verdade. Nós duas estávamos doentes.
Florence: Nós nos vimos bastante durante a temporada de premiações, o que foi muito legal porque tínhamos acabado de fazer um filme juntas. Então eu pude simplesmente ir e cutucar Scarlett Johansson em tapetes vermelhos e soltar, “Tudo bem, eu conheço ela.” Mas sim, é muito estranho não estar com ela. Nós começamos [a trabalhar no filme] há mais de um ano, querida. Foi em maio [de 2019] que começamos nossos treinos juntas.
Scarlett: Antes de você e eu começarmos a trabalhar nesse projeto juntas, eu tive um ou dois anos do processo de desenvolvimento. Faz tanto tempo. Fazem quase três anos, na verdade. Eu pensei nisso outro dia. “Quando eu comecei essa conversa para valer?” Lembro de quando nós estávamos filmando “Guerra Infinita”, comecei a falar pela primeira vez com Kevin [Feige] sobre isso como uma possibilidade real, como algo que realmente poderia acontecer. Foi há tanto tempo. Já faz uma eternidade.

Vocês duas se conheceram há mais de um ano, presumivelmente batendo uma na outra com violência?
Florence:
Literalmente. Eu nunca tinha feito um desses filmes antes, então eu estava muito ansiosa para iniciar e começar a aprender como rolar pelo chão [em uma coreografia de luta], porque eu não sabia exatamente o quanto se esperava de alguém que estava entrando em um desses filmes. O mais engraçado é que nós começamos ensaiando algumas cenas, o que foi adorável, mas na primeira semana de filmagens, Scarlett e eu tínhamos uma das maiores cenas de luta para nossas personagens, em que elas se vêem pela primeira vez em anos. E foi a primeira vez em que nos vimos, então nós estávamos fazendo esses ensaios e eu falava coisas do tipo, “Ok, eu te enforco agora e em seguida você me joga na parede.
Scarlett: É como um exercício de confiança bastante agressivo. Como atrizes, normalmente você se apóia na pessoa ou vocês se olham e dizem a mesma palavra por, tipo, 20 minutos. Foi exatamente assim, mas com uma chave de braço, basicamente. Embora eu deva dizer que foi eficaz. Apenas como atores, alguém teria a oportunidade de fazer algo assim. É uma loucura. É um trabalho tão engraçado e esquisito, no qual você pode ver alguém pela primeira vez em um ensaio de uma peça e um dia e meio depois, vocês estão gritando e soluçando um com o outro, se abraçando, ambos com muco escorrendo pelo rosto, e você expôs toda a fragilidade do seu eu infantil.
Florence: O mais legal disso é quando você conhece alguém que gosta tanto quanto você desse tipo de coisa. Isso torna toda a experiência um pouco mais agradável. Nem todo mundo gosta de ser jogado no chão o tempo todo, mas Scarlett e eu adoramos.

Scarlett, você já deve estar batendo nas pessoas segundos após conhecê-las há um tempo agora.
Scarlett:
É estranho dizer isso, mas já é uma coisa antiga para mim. É muito engraçado, no entanto. Já faz uma década em termos de duração e eu sei onde minha energia é melhor usada. Sei que provavelmente não vou atingir o nível profissional de Muay Thai em quatro meses. De forma que gastar minha energia tentando me igualar a um atleta profissional é um desperdício do meu tempo. Eu sei que é mais importante para mim que eu seja e pareça capaz e tenha esse tipo de confiança no que quer que eu esteja fazendo. Mas nem sempre foi assim. Eu passei tantos filmes me preocupando em excesso com coisas que basicamente nunca eram utilizadas, ou criando uma sequência de luta de seis minutos de duração e então mostrando-a ao diretor no dia da filmagem para ouvir ele dizer, “Eu acho que só precisamos de 15 segundos disso.” Aí você fica, “O queeeeee? Eu desperdicei todo esse tempo!” Então eu acho que sou mais eficiente agora.

Florence: Quando estávamos fazendo aquela primeira luta, eu estava muito preocupada com uma rotação que eu tinha que fazer, e estava basicamente tentando mergulhar no ar enquanto aplicava um golpe nas pernas dela para então rolar. Para uma pessoa normal, isso é quase impossível. E eu me lembro de ficar apreensiva com isso: “Eu não sei se vou conseguir fazer essa acrobacia.” Scarlett me disse, “Querida, há um motivo para você ter alguém que se pareça exatamente com você pronta para te dar apoio. Ela é uma atleta e sabe como fazer isso e ficará ótimo.

Há coisas para as quais você não tem dublês: a parte da atuação. Vocês podem falar sobre isso e sobre trabalhar nesse relacionamento entre essas duas personagens, que tem que ser fraternal mas com um certo limite?
Florence:
Foi uma alegria completa. Mas também, eu na verdade embarquei em uma narrativa da qual eu não fazia parte e precisava ser educada sobre. Eu sei um pouco de assistir aos filmes anteriores, mas foi realmente fantástico que a mulher com quem eu estava trabalhando não só era a rainha deste reino, como também sabia absolutamente tudo. Foi ótimo embarcar nesse projeto e dar vida a esse relacionamento complicado, no qual há tanto amor mútuo e também tanta dor por trás deste amor, que leva um filme inteiro para que elas realmente possam se abrir uma com a outra.
Scarlett: De muitas maneiras, a pressão não estava realmente sobre mim. Eu tinha confiança na Cate [Shortland], nossa diretora, para liderar todos nós como uma trupe de atores, para nos guiar e encontrar mais profundidade em algo, ou um afeto em algo, ou diferentes nuances. De forma que parecia um pequeno filme dentro de um grande filme, eu acho. Quando você o assiste, você também tem essa impressão. Tem um certo intimismo sobre ele. Esses relacionamentos são possivelmente alguns dos mais complicados com os quais a Marvel já lidou. Eles são profundos, casos familiares complicados. Nós pudemos fazer algumas coisas muito gratificantes do ponto de vista dramático, e é para isso que trabalhamos.

O filme é uma prequela. Há um grande motivo para isso, que é que agora Natasha está morta no UCM. O que foi um grande choque — Florence, eu presumo que você já tenha visto “Ultimato”?
Florence:
[risos] Eu já assisti, não se preocupe.
Scarlett: Alerta de spoiler!

[…]

Florence, você vem acompanhando com afinco o UCM e a progressão de Scarlett como Natasha ao longo da última década ou algo assim?
Florence:
Eu não era uma fanática. Sem ofensa, Scarlett. Eu não sei todas as informações sobre todos os personagens, mas me lembro de assisti-los durante a minha adolescência. Eu definitivamente me mantive atualizada. Tanto que fiquei arrasada — me lembro dos primeiros vazamentos sobre a morte da Natasha e que achei isso muito injusto porque ela era a personagem feminina mais incrível. Me lembro de ficar chocada. Mas é engraçado ter trabalhado no filme pelo qual as pessoas vêm torcendo nos bastidores há anos, e poder trabalhar ao lado da Viúva Negra e assisti-la.
Scarlett: Florence diz todas essas coisas, mas ela tem tanta integridade e sua personagem também. Ela é excepcionalmente independente. A personagem é tão cheia de vida e tem tanta segurança em si mesma. Essas são todas qualidades que Florence tem de sobra. É muito revigorante. É uma performance muito revigorante e empolgante de se assistir.

Ambas entraram no UCM em pontos muito distintos. Scarlett, ainda era um grande risco quando você fez “Homem de Ferro 2”, e, ao longo dos anos, sua contribuição os ajudou a chegar a um ponto em que um filme como este não é mais um risco. E, francamente, o UCM foi um grande festival de salsichas [lê-se: masculino] por anos…
Scarlett:
Um festival de salsichas? [risos]

Sim! E agora é muito mais representativo e muito mais diverso. Então, as coisas mudaram nesse sentido.
Scarlett:
Sim, graças a Deus. Estamos evoluindo com o tempo. O que eu posso dizer é que, falando especificamente sobre esse filme — porque é impossível englobar todo o Universo Marvel e o quanto ele é muito maior do que jamais poderíamos ter imaginado que seria um dia — tem tanta coisa acontecendo. Vai além da compreensão. Quando comecei há dez anos, não li um roteiro. Eu não sabia em que isso se transformaria. Eu estava colocando toda a minha confiança em Jon Favreau [diretor de Homem de Ferro 2]. Mas nenhum de nós, desde aquele comecinho, poderia ter imaginado que estaríamos aqui, discutindo esse tipo de coisa. Eu acho que esse filme em particular é basicamente um reflexo do que está acontecendo em consequência dos movimentos Time’s Up e #MeToo. Seria um erro tão grande se não abordássemos esse assunto em específico, se esse filme não levantasse essa bandeira abertamente. Eu acho, particularmente para Cate, que era tão importante para ela fazer um filme sobre mulheres que estão ajudando outras mulheres, que tiram outras mulheres de uma situação extremamente difícil. Alguém me perguntou se Natasha era uma feminista. É claro que ela é, isso é óbvio. É uma pergunta meio estúpida.

Vou riscar ela da minha lista…
Scarlett:
[risos] Mas esse filme, com sorte, não irá apenas elevar o gênero, como também testará os limites da Marvel novamente e a impulsionará além de sua zona de conforto de uma forma completamente nova. É uma oportunidade realmente única fazer um filme desta escala, que tem uma mensagem tão comovente, profunda e poderosa por trás. Acho que conseguimos fazer isso com louvor.
Florence: Sim. E você percebe isso nos dez primeiros minutos do filme. Você já está impressionado por coisas incríveis que não estariam em um filme, qualquer filme, mesmo que somente cinco anos atrás. Foi muito legal de se assistir.

Isso é interessante. Como “Pantera Negra”, este teria sido um filme muito diferente dez anos atrás.
Scarlett:
Tenho certeza que um filme da Viúva Negra poderia ter sido feito há dez anos, mas não teria sido esse filme, com certeza. Teria sido outra coisa que provavelmente pareceria ótima. [risos]

E agora foi feito.
Florence:
Está incrível. Eu tenho que falar: eu assisti a um corte [do filme], estava sentada no sofá e todas as vezes em que algo acontecia, algo que tinha qualquer tipo de ação, eu ficava tipo, “Vamos, Natasha! Vai! Vai!” Eu estava muito animada em gritar com a minha própria televisão.

Você faz isso com todos os filmes da Scarlett? Com “História de Um Casamento”, digamos? “Vai, Scarlett, vai!”
Scarlett:
Ah, sim, ela faz isso com todos eles. Ela amou a cena do divórcio no tribunal. Ela estava torcendo por mim.
Florence: Eu estou sempre torcendo por todas as personagens dela. “Se divorcie!

Fonte: Empire UK.
Tradução e adaptação: Florence Pugh Brasil.
 

 



O livro oficial do filme “Viúva Negra“, a ser lançado pela Marvel, finalmente ganhou uma data prevista para chegar às prateleiras mundo afora: o lançamento está inicialmente marcado para o dia 6 de outubro de 2020, com a pré-venda provavelmente se iniciando em uma data próxima!

O especial, que se trata de um guia completo do filme; incluindo entrevistas inéditas com o elenco e a equipe, irá proporcionar ao leitor a experiência de se submergir no processo de criação da mais nova e aguardada obra da Marvel Studios. Apresentando fotos e imagens das filmagens, o título trará também conteúdo exclusivo do elenco principal (Scarlett Johansson, Florence Pugh, David Harbour e Rachel Weisz), além de bate-papos com a equipe responsável por dar vida ao mundo da espionagem de “Viúva Negra” e uma análise aprofundada da história em quadrinhos da icônica personagem da Marvel.

Confira abaixo a prévia da entrevista de Florence traduzida por nossa equipe e a nova imagem promocional divulgada no scan:

YELENA BELOVA
Florence Pugh fala sobre família e ser a assassina prática e objetiva que faz o que tem que ser feito.

Como você se sentiu ao ingressar no Universo Cinematográfico da Marvel?
Como em qualquer franquia, é sempre um pouco intimidador, devido ao que você irá trazer e de quem você irá interpretar. Eu acho que, para qualquer ator, isso automaticamente será algo muito marcante e especial, quer você assista a esses filmes pessoalmente ou não. Todo mundo cresce envolto nos filmes da Marvel, ou assistindo a eles, ou, ainda, com algum irmão que os ama e é um(a) fã ávido(a).

Foi convidativo o quanto o Universo Cinematográfico da Marvel vem se expandindo?
Totalmente. O próprio fato de terem colocado Cate Shortland na cadeira do diretor, alguém que eu nunca teria imaginado que estaria dirigindo um desses filmes, na frente de uma das histórias mais queridas, é incrível. Isso por si só já aponta para uma nova direção. O que nós viemos tentando explicar desde o começo, é que parece que Cate está apenas dirigindo outro de seus filmes. Que por acaso acontece de ter essa mega história do Universo Cinematográfico da Marvel por trás. Nunca pensei que essas duas coisas se misturariam tanto. Além disso, a história que estamos contando é bastante assustadora. É sobre mulheres que foram, essencialmente, abusadas e treinadas para serem máquinas mortíferas. Como Scarlett disse inúmeras vezes, esse é o momento certo para ela contar a história da Viúva Negra. E não estamos nos esquivando do fato de que essa história é essencialmente sobre mulheres recuperando sua vida. E é um filme da Marvel Studios, também. Isso é muito raro, e é muito emocionante fazer parte disso.

Conte-nos sobre a sua personagem.
Eu interpreto Yelena, a irmã mais nova irritante que fala tudo o que vem à cabeça sem medir as consequências. Quando nós a conhecemos, ela está meio que descobrindo o mundo sob uma nova perspectiva. Ela está magoada, é complicada e age de forma desgovernada. Quando ela reencontra a personagem de Scarlett, Natasha, Yelena está meio que redescobrindo quem ela é após ficar tanto tempo na Sala Vermelha. Então, juntas, elas percebem que estão sofrendo de maneiras muito semelhantes. Há uma amizade adorável e única entre as duas, porque, no fim das contas, elas são irmãs que não se viam há muito tempo. Elas consertam uma à outra e a falta que ambas fizeram em suas vidas. No centro disso, está essa jornada bastante brutal de descobrirem quem elas são, e isso é algo que eu não imaginava que combinaria com tantas explosões incríveis, armas, e isso e aquilo. Na verdade, há uma história muito triste no fundo.

Fonte: Black Widow: The Official Movie Special e Amazon.
Tradução e adaptação: Florence Pugh Brasil.



Em uma breve entrevista à edição especial de agosto da revista Empire UK, intitulada de Big-Screen Preview Issue, a diretora de “Viúva Negra“, Cate Shortland, confirmou que Florence Pugh será a nova Viúva Negra do Universo Cinematográfico da Marvel. Cate, que não poupou elogios a performance da atriz no papel de Yelena Belova, falou também um pouco sobre o processo de edição do filme, que sofreu um pequeno atraso devido a pandemia do novo coronavírus. Confira abaixo alguns trechos traduzidos nos quais a diretora menciona Florence e o filme e seu processo de pós-produção:

Viúva Negra
A diretora Cate Shortland diz-nos para esquecer o que achamos que sabemos — a tão esperada pré-sequência de Natasha Romanoff está cheia de surpresas

Empire UK: Como vai você? Vocês já deveriam ter concluído e finalizado o filme a essa altura.
Cate Shortland:
Nós estávamos a uma semana de finalizar a edição quanto tivemos que parar, e então, provavelmente, levaram outras duas semanas para reunirmos a tecnologia necessária para que pudéssemos continuar editando. A parte musical está toda pronta. Estamos quase lá!

Empire: Bom, você tem que se manter ocupada. Então você está iniciando a Fase Quatro da Marvel com a pré-sequência, voltando ao passado para avançar até o futuro. Essa contradição é algo sobre o qual você falou ao fazer esse filme?
Cate:
Sim, foi. Kevin [Feige, chefe da Marvel] sempre se interessa pelo inesperado. Ele percebeu que o público esperava uma história de origem, então, é claro, fomos na direção oposta. E não sabíamos o quanto Florence Pugh seria genial. Nós sabíamos que ela seria ótima, mas não sabíamos o quanto. Scarlett é tão graciosa, ela disse, “Oh, estou passando o bastão para ela.” Então isso vai impulsionar outra história feminina.

Empire: Então você vê esse filme mais como uma entrega do que apenas uma despedida de Scarlett?
Cate:
Sim. Em “Ultimato“, os fãs ficaram incomodados com o fato de Natasha não ter tido um funeral. Enquanto Scarlett, quando eu conversei com ela sobre isso, disse que Natasha não iria querer um funeral. Ela é muito reservada, e de qualquer maneira, as pessoas não sabem realmente quem ela é. Então, o que fizemos nesse filme, foi permitir que o final fosse a dor que os indivíduos sentiam, ao invés de uma grande manifestação pública [de tristeza]. Eu acho que é um final adequado para ela.

Empire: Essa é uma abordagem muito interessante também, dado o fato de que há um aspecto de solidão nela. Colocá-la junto a uma quase-família é realmente contra-intuitivo.
Cate:
Totalmente, e novamente é Kevin, insanamente inteligente. Essas pessoas a conhecem desde a infância, então a máscara dela tem que cair imediatamente, porque, caso contrário, eles chamam sua atenção. Esse é um lado dela que vocês não estão acostumados a ver e eu acho que essa é uma maneira particularmente feminina de se olhar para uma história. Muitas vezes, os homens olham para as coisas em um grande mural mítico, certo? A grande heroína que vai matar o inimigo. O que nós abordamos foi, quem é ela quando está sozinha? Quem é ela com as pessoas que a conhecem melhor? Esses são os detalhes que estávamos procurando [explorar].

Empire: Isso foi um desafio para Scarlett em termos de atuação? Essa personagem tem sido tão definida por sua privacidade que, quando você a aprofunda e a faz se abrir, pode parecer uma pessoa completamente diferente.
Cate:
Ela sempre será reservada, mas acho que o que Florence Pugh fez, como atriz, foi se revelar tão completamente que Natasha não tem outra escolha a não ser fazer o mesmo. Então você tem esse… quase um romance realmente bonito entre as duas garotas. É a história de irmãs. Estou orgulhosa do que ambas fizeram, porque é bastante sutil mas, emocionalmente, tem muito amor, empatia e compaixão.

Fonte: Empire UK — The Big-Screen Preview Issue.
Tradução e adaptação: Florence Pugh Brasil.



Em abril foi anunciado pela Variety, revista estadunidense semanal especializada em cinema e na indústria do entretenimento, que Florence Pugh irá estrelar o mais novo filme de thriller psicológico da diretora e atriz Olivia Wilde, “Don’t Worry Darling“.

Produzido pela empresa New Line Cinema, o longa irá se passar em uma comunidade utópica e isolada no deserto da Califórnia, ambientado nos anos 1950.

A New Line considera o filme uma grande prioridade, tendo conquistado os direitos após uma disputa acirrada de licitações devido à aclamação da estreia como diretora de Wilde em “Fora de Série“.

Catherine Hardwicke é a produtora executiva do filme, ao lado de Shane e Carey Van Dyke. Silberman já está reescrevendo o roteiro originalmente assinado por Shane e Carey Van Dyke.

O elenco conta com nomes como Chris Pine (Mulher-Maravilha), Shia LaBeouf (Honey Boy) e Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza).

 



Ontem, 02 de fevereiro, durante o intervalo do Super Bowl, foi exibido um novo comercial de ‘Viúva Negra‘, intitulado de ‘Choose‘. No novo Spot, Natasha (Scarlett Johansson), Yelena (Florence Pugh), Melina (Rachel Weisz) e Alexei (David Harbour) se reúnem para enfrentar os fantasmas de seu passado e o vilão Treinador.

Confira:

A Marvel divulgou também pôsteres individuais de alguns personagens, incluindo Yelena Belova:

Confira a sinopse oficial do filme divulgada pela Marvel Studios em janeiro e traduzida pela nossa equipe: “No thriller de espionagem repleto de ação da Marvel Studios, ‘Viúva Negra‘, Natasha Romanoff confronta as partes mais sombrias de seu histórico quando uma conspiração perigosa ligada ao seu passado surge. Perseguida por uma força que não parará por nada até acabar com ela, Natasha deve lidar com sua história como uma espiã e os relacionamentos rompidos que deixou para trás muito antes de se tornar uma Vingadora.”

O filme chega aos cinemas brasileiros no dia 30 e abril de 2020!



Florence Pugh concedeu uma entrevista exclusiva para a série de edições digitais da Deadline dedicadas à temporada de premiações, que serão lançadas online à partir desse mês. Durante o bate-papo com Anthony D’Alessandro para a publicação voltada para a indústria do entretenimento, Florence discutiu seus mais recentes trabalhos no ano que a consagrou de vez e consolidou ainda mais sua carreira. Confira abaixo a entrevista traduzida e os scans da revista:

Florence Pugh
Como ela aprendeu a lutar fisicamente, a incorporar a insanidade atormentada pelo luto e a trazer nova profundidade a uma querida personagem literária

2019 será lembrado como o ano de Florence Pugh. Primeiro, ela mostrou sua destreza de combate em “Lutando Pela Família”, como a lutadora britânica da vida real Saraya “Paige” Knight. Em seguida, veio a angustiada e atormentada adolescente Dani no bizarro terror sueco de estilo folk de Ari Aster, “Midsommar”. E então, há o remake revisionista de Greta Gerwig de “Mulherzinhas”. Florence interpreta Amy March, a irmã privilegiada de Jo, interpretada por Saoirse Ronan. E isso não é tudo. Ela também é a assassina Yelena Belova, amiga e também rival da personagem de Scarlett Johansson, Natasha Romanoff, em “Viúva Negra” da Marvel, que estreia em maio.

Como começou essa reação em cadeia de papéis? Depois de “Lutando Pela Família”, seu colega de elenco Dwayne Johnson deu uma tonelada de telefonemas te recomendando?
Na verdade, eu fiz “Lutando Pela Família” anos atrás, quando “Lady Macbeth” estava estreando. Então, é engraçado que ele só tenha sido lançado este ano. É interessante como os filmes funcionam assim, mas esse eu fiz há cerca de dois ou três anos. As pessoas sempre ficam fascinadas em saber o motivo do sucesso repentino, mas, na verdade, eu tenho estado ocupada pelos últimos quatro anos, e todos os projetos só foram lançados agora. Dessa forma, não é necessariamente algo que aconteceu do dia para a noite para mim. Desde “Lady Macbeth” e “Lutando Pela Família”, eu venho trabalhando consecutivamente por quatro anos agora.

Qual significado o papel de Dani em “Midsommar” teve para você?
Ler um roteiro como esse e ter um diretor que quer que você seja essa personagem, é uma das melhores sensações que existem. É também uma das sensações mais apavorantes, porque eu tenho uma grande ligação com todas essas personagens que interpreto, e eu realmente sinto que, como uma atriz, é seu direito saber se esse é o seu papel ou o de outra pessoa. Eu acredito firmemente nisso. Por mais empolgante que seja ter alguém te oferecendo um papel, você tem que se certificar de que a personagem terá justiça com você a interpretando, e, caso não tenha, você precisa ser corajoso o suficiente para deixar que outra pessoa faça isso.

Quais eram as suas preocupações?
Com “Midsommar”, é o sonho de todo ator ter tanta jornada e tanto arco assim. Mas, prioritariamente, eu estava muito apreensiva, porque não suporto assistir filmes em que você pode ver que alguém não sabe como sentir algo. A coisa mais difícil de se fazer quando li a história de Dani foi que, eu estava tão consciente de que ela precisava de cada uma das emoções que estavam sendo escritas, elas não poderiam simplesmente ser fingidas, não poderiam ser imaginadas, não poderiam ser algo que você imaginava; é assim que elas me pareciam. Com toda a honestidade, eu estava com medo, porque eu nunca havia chegado perto de qualquer espécie de sofrimento como aquele em toda a minha vida. Eu não sabia como isso parecia, como isso soava, e em um filme que é fortemente baseado em torno da ansiedade e do luto, seria quase rude fazê-lo sem qualquer preparo, apenas improvisar.

Como você superou essas preocupações?
Eu tinha consciência que não sabia se tinha [a capacidade de interpretar] ela em mim, e aceitei o papel porque pensei que talvez eu tivesse, e eu fiz uma fita para o Ari, que foi uma das primeiras cenas com Christian e Dani, quando ele a manipula psicologicamente e a faz duvidar de si. Então, sim, foi complicado, e eu imaginei cada membro da minha família em um caixão, o que arrancou todos aqueles sons que vocês veem no filme de mim. Tenho certeza de que muitos atores diriam que isso é totalmente ridículo, mas, infelizmente, não consigo chorar na hora, do nada. Então, eu tive que me destruir realmente por três meses inteiros, mas fiquei feliz com o resultado. Tudo o que o público vê, é exaustivo de se assistir. Quero dizer, eu assisti o filme duas vezes e todas as vezes, no final eu me sentia como se estivesse completamente de ressaca, e meio morta. Saindo de “Midsommar”, Amy March em “Adoráveis Mulheres” foi a melhor terapia para mim. Ela foi incrível. Eu pude andar por aí em anáguas e, essencialmente, flertar com Timothée Chalamet todos os dias, e também dar pancadas e lutar com todas as irmãs. Foi ótimo.

Amy foi rejeitada pelos leitores, mas talvez tenha mais nuances no filme de Greta Gerwig.
Acho que estamos tão prontos, como pessoas modernas e mulheres modernas, que estamos tão empolgados em defender e torcer por uma mulher que diz que quer ganhar seu próprio dinheiro e não se casar. Mas, na verdade, naquela época, essa era provavelmente uma das coisas mais imprudentes e tolas que você pudesse querer e fazer. Tia March treinou Amy para planejar; se você conseguir um bom casamento, estará segura, terá filhos e seus filhos também estarão seguros. Se através do casamento você entrar para uma família rica, que tenha muito dinheiro, você está basicamente sobrevivendo; e eu acho que isso é algo do qual nos esquecemos como pessoas modernas. Durante aquele período, as mulheres não tinham nenhuma escolha. Elas não possuíam nada, não possuíam seus filhos e nem dinheiro algum. Então, na verdade, essa garota que todos nós temos detestado por tantos anos nesse livro, foi provavelmente uma das mais inteligentes também.

Greta também entregou seu discurso sobre ‘mulheres e casamento’ para que Timothée decorasse no último minuto. Houveram muitas mudanças de última hora?
O roteiro é como se fosse uma espécie de bíblia, e então se Greta tivesse algo que quisesse acrescentar, ela lhe diria de manhã. Naquele dia, obviamente, ela me entregou esse discurso enorme, e a cada cinco minutos de pausa nas gravações, eu ia para um canto, agia como se estivesse brava e o ensaiava várias vezes. Ela é muito específica e precisa com seu roteiro. Falas estarão escritas umas em cima das outras, e é esperado que você entre na exata palavra em que sua fala começa, é para ser caótico mesmo. Você não deve ouvir nenhuma espécie de anúncio de que é a sua vez de falar, e isso é obviamente a coisa mais estressante de todos os tempos, mas também é muito estimulante. Todos tinham que estar atentos às suas deixas, e prontos. Tipo, prontos de verdade.

Fonte: Deadline.
Tradução e adaptação: Florence Pugh Brasil.



Na noite de ontem (04), segunda-feira, Florence Pugh compareceu a uma exibição especial e exclusiva para convidados de “Adoráveis Mulheres”, promovida por sua colega de elenco, a atriz Meryl Streep, em Los Angeles. Florence se juntou a diretora Greta Gerwig, a atriz Laura Dern e a produtora Amy Pascal, que também foram promover o filme e prestigiar o evento de Meryl.

Com produção da stylist Rebecca Corbin-Murray, do cabeleireiro Peter Lux e do maquiador Alex Babsky, Florence trajou um lindo vestido de veludo azul royal da marca sustentável inglesa Reformation; nos pés, a atriz usou uma sandália Jimmy Choo. Seus cabelos, presos em um semi-rabo de cavalo, e sua maquiagem clássica e sóbria completaram o look com pegada vintage.

Confira as fotos do evento:
 



Na tarde de ontem (02), Florence Pugh participou de um painel exclusivo de “Adoráveis Mulheres” durante o Deadline: The Contenders, ao lado da diretora Greta Gerwig e da produtora Amy Pascal. O evento, promovido pela Deadline, ocorreu no DGA Theater Complex, em Los Angeles, com a finalidade de proporcionar um resumo de todos os filmes da temporada de premiações para membros da Academia, BAFTA e da Guilda. Florence e Greta discutiram um dos pontos mais marcantes da nova adaptação do clássico de Louisa May Alcott: o discurso de Amy para Laurie sobre a configuração econômica do casamento na época. A atriz britânica também abordou as novas nuances e a voz que sua personagem ganha no filme de Greta Gerwig, o que proporciona ao público uma nova visão sobre Amy March.

Após o painel de “Adoráveis Mulheres”, Florence, Greta e Amy posaram para as lentes do fotógrafo Michael Buckner em uma série de portraits exclusivos para a Deadline como material de divulgação.

Para o evento, Florence foi produzida pela stylist Rebecca Corbin-Murray, pelo cabeleireiro Peter Lux e pelo maquiador Alex Babsky. A atriz usou um terninho elegante de alfaiataria assinado pela estilista inglesa Racil Chalhoub, um corset da marca parisiense Ernest Leoty e botas Jimmy Choo. Suas mechas loiras foram onduladas em um penteado moderno e harmonioso, enquanto sua maquiagem foi elaborada com tons quentes e neutros, em uma pegada mais natural.

Confira abaixo todas as fotos e vídeos do evento:
 

 

Florence Pugh promoting Little Women at Deadline's The Contenders from Florence Pugh Brasil on Vimeo.



Florence Pugh e sua colega de elenco em “Adoráveis Mulheres“, Saoirse Ronan, posaram para as lentes do fotógrafo Jay L. Clendenin em um ensaio exclusivo para o Los Angeles Times. As atrizes também foram entrevistadas por Amy Kaufman para a publicação e abordaram a nova releitura cinematográfica do clássico de Louisa May Alcott, bem como suas personagens, sua relação com seus colegas de elenco e muito mais. Confira abaixo a entrevista traduzida e as fotos da sessão fotográfica divulgadas:

Como Saoirse Ronan e Florence Pugh atualizaram “Adoráveis Mulheres” para feministas modernas

Florence Pugh está passando rapidamente o dedo indicador por ser iPhone, procurando por Pam.

Espere aí, espere aí,” diz ela. “Eu vou achar. Cadê a Pam? Oh, isso está me matando.

Pam não é o nome do amado cão da atriz, ou mesmo de uma das suas duas irmãs. Pam é o nome que Florence atribuiu à sua colega de elenco, Saoirse Ronan, no set da próxima adaptação de “Mulherzinhas“, de Greta Gerwig.

Florence agraciou Saoirse com o alter-ego após filmar uma das cenas mais memoráveis do romance clássico de Louisa May Alcott: quando Jo March (Saoirse) revela que cortou em segredo suas longas tranças. Suas três irmãs ficam horrorizadas — “Oh, Jo, como você pôde? Sua única e verdadeira beleza!” clama Amy (Florence), a mais nova das irmãs — mesmo apesar de Jo ter sacrificado o cabelo para arrecadar dinheiro para a recuperação de seu pai doente.

Entra Pam. Quando começou a filmar, Saoirse tinha mechas loiras lustrosas que cacheavam quase até sua cintura. Após o corte de cabelo, no entanto, ela foi forçada a usar uma peruca desagradável: é quase um mullet, mas mais felpudo e com uma vibe despenteada meio Owen Wilson.

E foi aí que Flo apareceu com essa personagem chamada Pam, lembra Saoirse, 25 anos. “Pam é da Austrália, e tem muitas opiniões sobre tudo que está acontecendo.

Ela tricota entre as cenas,” diz Florence, 23 anos, de repente soando como se fosse de Melbourne ao invés de Oxfordshire. “Saoirse sentava com seus chinelos Ugg, cruzando os pés entre as gravações, com esse visual ridículo, e era muito louco.

Ela continua a percorrer por suas fotografias, buscando freneticamente provas de Pam e pausando apenas para morder alguns pedaços de seu croissant de chocolate. Saoirse senta-se de frente para sua colega de elenco no Chateau Marmont, e após pedir uma massa para ela, começa devidamente a responder a maioria das perguntas sobre “Adoráveis Mulheres.”

Com estreia marcada para o Dia e Natal e já gerando burburinhos ensurdecedores de apostas para a temporada de premiações, esse é a sétima versão em longa-metragem do romance de 1868 de Alcott. Ao contrário de seus predecessores, Greta Gerwig — que escreveu e dirigiu o projeto — adotou uma abordagem não-linear da história, visualizando os dias formativos da infância das irmãs March em Concord, Massachusetts, através das lentes da vida adulta.

Enquanto todas as quatro irmãs seguem caminhos decididamente distintos ao passo que amadurecem — Jo deseja desafiar as convenções sociais permanecendo solteira; Meg não quer nada além de encontrar um marido e ter filhos — a adaptação de Greta tenta tratar todas as escolhas delas com respeito.

(…)

As quatro garotas que conduzem essa história são todas muito, muito diferentes, e todas elas permitem que uma garotinha se enxergue nelas,” Saoirse, que se junta também a Emma Watson (Meg) e Eliza Scanlen (Beth) no filme, continua. “‘Adoráveis Mulheres’ te dá a oportunidade de se identificar com aspectos de todas essas garotas, porque todas elas têm idades diferentes e querem coisas diferentes. Isso quer dizer que você pode crescer com a história e dizer —

Saoirse é interrompida quando Florence, tendo finalmente localizado a foto que estava procurando, mostra animadamente seu telefone.

Ah, você só quer mostrar a Pam,” diz Saoirse, rindo. “Você não está nem aí.

Eu estou sim,” diz Florence. “Mas, você está preparada para a Pam?

É fácil, nesse momento, entender por que Greta escalou as duas atrizes para seus respectivos papéis. (…) Florence é basicamente uma novata em Hollywood — acumulando créditos em um ritmo acelerado e ainda assim relativamente desprevenido. Seu primeiro papel de destaque, na adaptação britânica de 2016 de “Lady Macbeth,” acabou lhe rendendo uma indicação ao BAFTA e, pouco depois, ela conquistou o papel principal no filme de luta livre produzido por Dwayne Johnson, “Lutando Pela Família.” Ela estava prestes a viajar para filmar o suspense “Midsommar” quando Greta estava montando “Adoráveis Mulheres” e gravou-se fazendo um teste, a pedido da diretora.

Nós queríamos algo que pudéssemos apresentar a todos, porque ela é menos conhecida,” diz Greta. “Eu precisava que ela estivesse na mesma faixa de peso que a Saoirse — alguém que realmente pudesse ser igualmente formidável. E ela era essa pessoa. Eu mudei a data das filmagens por ela, porque eu queria muito que ela estivesse no filme.

Na última grande adaptação de “Mulherzinhas” — a versão de 1994 de Gillian Armstrong, profundamente querida pelos milenares — Amy foi interpretada por duas atrizes: Kirsten Dunst quando menina e Samantha Mathis quando mulher. Mas Robin Swicord, que escreveu essa versão do filme e atuou como produtor na iteração de Greta, disse que a Sony/Columbia Pictures estava “procurando uma ruptura clara da versão dos anos 90.

Nós dissemos: ‘Fazem 25 anos, e nós achamos justo que a nova geração tenha suas próprias ‘Adoráveis Mulheres’,’” Swicord diz. “Queríamos nos certificar de que estávamos fazendo algo que fosse bem diferente. Com Amy, em minha versão, nós sentíamos que ela era uma garotinha andando com todos os seus malapropismos, e nós não conseguíamos envolver nossos cérebros ao redor do salto no tempo. Mas por Greta ter focado bastante na vida adulta [das meninas] e mostrado a infância em reminiscência, você não questiona isso.

Saoirse diz que “cresceu” com essa versão do filme, mas Florence estava mais familiarizada com o livro de Alcott. Sua avó o lia para ela todo fim de semana, criando vozes únicas para todos os personagens.

Ela odiava a Amy,” diz Florence. “Ela sempre dizia, ‘Que garota mais malvada!’ É tão fácil amar a Jo, porque ela representa tudo o que nós queremos ser. Ela tem voz, e vai a luta e não liga para nada. Mas lendo o livro novamente, mais velha, eu percebi que cada coisa que a Amy diz é perfeita. Eu amo uma pessoa travessa em um livro. Ver alguém criar caos é a minha coisa favorita. Todas nós queremos ser a Jo, mas, realisticamente, definitivamente acho que, provavelmente, há mais de mim em Amy.

Greta teoriza que Amy há muito tempo recebe “pouca atenção” do público, que frequentemente se concentra em sua vaidade. Sendo uma garota, Amy tenta moldar seu nariz para que ele tenha outro formato, e ela é franca quanto ao seu desejo de casar com um homem rico e ter coisas boas. Enquanto isso, Jo rejeita de maneira terrível um pedido de casamento vindo de um rico e bonito pretendente — Laurie, interpretado no novo filme por Timothée Chalamet — e está mais interessada em se tornar uma grande escritora do que centralizar sua vida ao redor de um homem.

Mas eu acho que Amy tem muito mais profundidade do que as pessoas lhe atribuem,” diz Greta. “E em termos de feminilidade, nenhuma delas é feminina no sentido de ter isso se fundindo com suas identidades. Ambas são masculinas. Jo quer ser um garoto, e Amy performa feminilidade porque lhe é conveniente que as pessoas consigam o que querem.

É assim que Swicord vê as personagens também. No roteiro de Greta, o produtor diz, ela enxerga Amy como uma “pessoa prática lidando com o mundo que herdou” — um mundo no qual ela está apenas tentando crescer e encontrar sua própria identidade fora da sombra de sua poderosa e criativa irmã mais velha.

(…)

Em Concord, o elenco chegou duas semanas antes do início das filmagens para ensaiar, primeiro pesquisando o movimento transcendentalista e então trabalhando juntos nos diálogos. Greta escreveu o roteiro de maneira ultra-específica, com muitas linhas de diálogo sobrepostas para que fossem lidas uma sobre as outras. Era como estar em uma “banda de cinco pessoas,” diz Saoirse, com cada um tocando um instrumento diferente. “Foi por isso que nós acabamos ficando tão próximos, eu acho, porque nós contávamos uns com os outros e confiávamos um nos outros mais do que em um filme normal, em que você espera alguém dizer sua fala,” diz ela. “Nós sabíamos qual era o nosso papel e tínhamos que estar focados.

Florence, no entanto — ainda em meio as filmagens de “Midsommar” — foi o único membro do elenco que teve que pular o período de ensaios. Embora a diretora enviasse a ela áudios gravados contendo o dia de trabalho para que ela não se sentisse de fora, Florence acabou sentindo que a separação do elenco foi útil.

No começo nós ficávamos tipo, ‘Ah, Deus, ela não vai estar aqui,’ e parecia que todos nós precisávamos estar juntos,” diz Saoirse. “Mas, na verdade, você disse isso quando chegou a Concord, Flo — Amy está meio que seguindo seu próprio caminho. Amy e Jo são bem parecidas, na verdade, no sentido de que Jo é meio ‘Eu vou fazer isso.’ E Amy é, meio, ‘Você que se dane, eu vou fazer isso.’ Elas querem coisas diferentes, mas ambas são muito desafiadoras em espírito.

Ambas tem personalidades muito teimosas,” Florence acrescenta. “Mas eu não acho que elas sejam inimigas ou rivais.

Eu acho que uma é tão feminista quanto a outra,” continua Saoirse, “porque ambas sabem o que querem e sustentam isso.

Fora das telas, o jovem elenco desenvolveu um vínculo de irmandade também. Depois de uma semana desvendando o filme para a imprensa e membros da guilda em L.A., Florence diz que mandou um vídeo para Eliza — que não poderia estar na cidade devido a um conflito de trabalho — dizendo a ela para “não ficar com FOMO,” ou receio de perder [a experiência]. E embora Florence diga que ainda tem que pedir a Saoirse um resumo da temporada de premiações, a atriz mais velha diz que está orgulhosa assistindo Florence navegar pelo turbilhão da atenção midiática.

Quero dizer, não penso em você como sendo, tipo, nova no ramo ou o que quer que seja,” diz Saoirse. “Mas o que é empolgante em assistir você fazer isso, Flo, é que eu não acho que alguém tenha visto você assim antes. Ela está tão engraçada nesse filme, e as pessoas ainda não viram isso.

Não, não, elas não viram,” Florence concorda. “Acho que as pessoas estão reagindo [positivamente] porque é algo tão diferente — elas pensam, ‘O quê?! Você consegue fazer uma criança agora?’ Nenhum filme meu foi feito para esse mesmo tipo de público.

Tem sido muito bom ter você lá durante esses painéis de perguntas e respostas,” diz Saoirse. “E a questão sobre [esse filme] é, meus amigos têm me perguntado: ‘Você acha que “Adoráveis Mulheres” vai chegar à temporada de premiações?’ E eu digo a eles, ‘Sabe, você não tem mesmo como prever.’ Nós só temos que estar lá juntos e dizer: ‘Até então, tem sido ótimo.’”

Fonte: Los Angeles Times.
Tradução e adaptação: Florence Pugh Brasil.



disclaimer